Daniel Dunglas Home

(1836 - 1886)

Home saiu da Escócia para a nova Inglaterra aos 9 anos com uma tia que o havia adotado. Aos 13 anos começou a mostrar as suas faculdades mediúnicas, quando (havendo feito um pacto com um jovem chamado Edwin, onde o primeiro que morresse deveria mostrar-se ao outro), certa noite, assim que foi para a cama, teve a visão de Edwin e anunciou à sua tia a morte do rapaz, confirmada dois dias após.

Uma segunda visão em 185O, referia-se à morte de sua mãe, que tinha ido viver na América. Uma noite ele gritou por socorro e quando a tia chegou encontrou-o muito abatido. Disse que a mãe havia morrido naquele dia às 12 horas; que ela lhe havia aparecido e dado o aviso. Em breve batidas fortes começaram a perturbar aquele lar quieto e os móveis a serem arrastados por forças invisíveis. Sua tia, criatura de estreita visão religiosa disse que o rapaz havia trazido o diabo para dentro de casa e jogou-o na rua. Home refugia-se com os amigos e começa a peregrinar de cidade em cidade. Sua mediunidade se havia desenvolvido poderosamente e nas casas em que se hospedava fazia até 7 reuniões por dia, o que lhe deixava exausto.

Em New York fez sessões com os professores Hare e Mapes e com o juiz Edmonds, da suprema corte de New York, convertendo o trio ao Espiritismo. Seu notável poder curador causava admiração a muitos. Home sempre teve uma saúde frágil. Ainda jovem, seu pulmão esquerdo estava parcialmente destruído, mas ele ainda faria muitos prodígios em seus 3O anos de exercício mediúnico, nos quais jamais recebeu um níquel sequer, pois considerava-se em missão sobre a Terra para demonstrar a imortalidade. Era também por isso que muitos o estimavam em toda a Europa. Poucos eram os monarcas desse continente com os quais ele não estivesse em afetuosa intimidade. Todos gostavam de vê-lo flutuar no ar, o que ele fez mais de 1OO vezes perante testemunhas respeitáveis.

Havia poucos daqueles variados dons que chamamos mediúnicos e que Paulo de Tarso chamava de "espirituais", que Home não possuísse. Na verdade, a característica de sua força psíquica era de uma invulgar versatilidade. Geralmente falamos de um médium de voz direta, de um que fala em transe, de um clarividente ou de um de efeitos físicos, quando Home era os 4 juntos.

A caridade era uma das mais belas qualidades desse sensitivo. Muitas foram as cartas de gratidão a ele enviadas e que ele as escondia para evitar divulgação. Seus gestos de desprendimento e amor aos infelizes foram muitos como vários foram os episódios ofensivos à sua pessoa, motivados por inveja ou pura maldade.

Todavia, no campo da fenomenologia espírita, as faculdades de Home foram atestadas por tantos e tão famosos observadores e foram mostradas sob condições tão francas que nenhum homem razoável poder pô-la em dúvida. Só a prova de Crookes foi conclusiva e fez calar a muitos dos seus opositores. Longo foi o seu apostolado. E ainda quando a sua vida utilíssima e altruísta chegava ao fim, deve ser lembrado, para eterna vergonha da Imprensa Britânica, o que dificilmente se encontrou um jornal que não se referisse a ele como um impostor e um charlatão. Contudo chega o momento em que ele ser reconhecido pelo que realmente foi - um dos pioneiros do lento e árduo avanço da Humanidade na selva da ignorância.

Biografias

                                                                                               E-mail: