A Meditação e o Dia a Dia

Não creias que o esvaziamento necessário à tua implosão em Deus se realize apenas nos breves momentos da meditação. É verdade que nesses instantes solenes teu psiquismo se move, graças a um impulso interior que visa a purificá-lo. Todavia o homem é o supremo artífice de suas horas.

Deve crear-se e recrear-se a cada minuto.

Isto o distingue dos outros seres da Natureza.

A estes evolução acontece, ao homem ela pode estar submetida.

Pergunta a ti mesmo, antes de mais nada, se a evolução ainda te acontece ou se podes já comandá-la.

Procura saber de ti mesmo se estás a mercê do que te sucede de fora ou se és, tu próprio, o grande acontecimento cósmico de dentro.

Caso verifiques que és ainda conduzido e não condutor, aceita algumas sugestões:

Torna-te senhor das tuas alegrias e das tuas tristezas, pois enquanto delas fores escravo, serás apenas alo-determinado e não auto-determinante.

Aceita com gratidão o que te vier de fora, mas nada esperes do mundo, pois enquanto girares em torno de tuas esperanças, não poderás ser tu mesmo a esperança de teus irmãos - os homens.

Não cobres nada a ninguém, pois enquanto o fizeres, estarás aguilhoado às algemas do toma-lá-dá-cá e, conseqüentemente, não serás livre. Aprende a ciência da verdadeira fé, aquela que vê o invisível, pois enquanto os olhos se fixam tão-somente nas coisas visíveis, não podes tornar-te um autêntico vidente da alma do Universo.

Sê fiel a ti mesmo, pois enquanto estiveres disperso entre as opiniões e conveniências do mundo, não poderás conhecer o UNO que liga todos os diversos.

Banha-te no oceano divino, que está em tua própria alma, e emergirás desse batismo renascido pelo espírito, pois só quando te impregnares da luz cósmica, poderás saboreá-la para o mundo.

Delfos

in Reflexões no Meu Além de Fora

Luiz A. Millecco - médium